Dr. Lísias Nogueira Castilho - Urologista | Fone: (19)32540225 / 3112-4600

Dra. Silvia Diez Castilho - Pediatra | Fone: (19)25136091

Artigos

Se você é homem e tem mais de 45 anos, preste muita atenção ao assunto deste Momento Saúde. O assunto de hoje é próstata. Todo homem tem um órgão pequeno logo abaixo da bexiga, atrás do púbis, chamado próstata que, no adulto, tem mais ou menos o volume de uma bola de pingue-pongue, só que com outra forma, mais ou menos parecida com a de uma pera. A próstata é um órgão da reprodução: sem ela dificilmente um homem pode gerar filhos. Ela produz uma parte do líquido seminal que, misturado com os espermatozóides, forma o esperma. Esta é a razão por que as doenças da próstata podem causar infertilidade. A partir dos 40 ou 45 anos, a próstata começa a envelhecer e podem surgir várias doenças. A partir destaidade, as três doenças mais importantes são o crescimento benigno da próstata, a inflamação da próstata, ou prostatite, e o câncer. O crescimento benigno e a inflamação fazem com que o homem urine mal, com jato fraco, às vezes molhando a roupa ou então levantando-se várias vezes à noite para urinar, podendo chegar até à retenção de urina, que é a chamada "urina presa". Já o câncer de próstata pode espalhar-se por todo o corpo e levar à morte em alguns anos. O câncer é uma das doenças que mais mata a partir dos 50 anos de idade. O câncer da próstata é o câncer mais freqüente do homem que tem mais de 50 anos. Não é o câncer que mais mata, mas é o mais freqüente. Se você tem mais de 45 anos, faça o seguinte: procure um médico urologista e faça todo ano um exame preventivo. É muito simples: no consultório o urologista fará um exame local, o chamado toque retal, e depois vai pedir um ou dois exames de laboratório. Se for necessário, o médico vai receitar medicamentos para melhorar a micção. A cirurgia da próstata só é necessária na minoria dos pacientes. Você não deve ter medo do urologista, nem dos exames. Até o próximo Momento Saúde, e um lembrete: Seja homem e tenha medo só das doenças da próstata.

Imprimir Email

0
0
0
s2sdefault

Quem é ou já foi pai, ou mãe de criança pequena, sabe muito bem da canseira que os filhos dão. Os filhos pequenos parecem ser incansáveis. Quando os pais entram no consultório médico com seus filhos pequenos costumam desabafar: “Estamos exaustos!” E quando não o dizem, às vezes para não deixarem a impressão de serem maus pais, pode-se perceber o cansaço estampado nas olheiras ou na irritação. E às vezes a irritação é despejada contra o médico, como se ele ou ela tivesse culpa da doença ou do excesso de energia do filho. Aliás, doença todo mundo tem. Vivemos num mundo cercado por bactérias, vírus e outros tantos bichinhos que não podemos ver. Há também os acidentes, que nem sempre podem ser evitados. Portanto, procure encontrar uma solução para as doenças dos seus filhos sem ficar culpando ou culpando-se o mau tempo e outras pessoas. Voltando ao nosso assunto de hoje: Pais de crianças pequenas sempre reclamam do cansaço, do esgotamento, do trabalho de cuidar dos filhos. Aliás, trabalho duro de fato. Passo aos pais cansados algumas dicas do Dr. Mack Ruffin, professor de medicina da família na Universidade do Centro Médico de Michigan: Primeiro, procure dormir bem, é preciso dormir entre sete e oito horas por noite. Se o bebê acordar durante a noite, tente tirar uma soneca de uns vinte minutos durante o dia. Segundo, acerte suas prioridades, procurando alistar as coisas que realmente precisam ser feitas, deixando de lado as coisas menos importantes. Se você tem filhos pequenos e está exausto, aqui vai mais uma dica: Evite cafeína depois das duas horas da tarde. Cafeína atrapalha o sono profundo. Lembre-se: cafeína lembra café, mas cafeína é encontrada também nos refrigerantes e nos chás. Procure atribuir funções dentro de casa. Quando marido, mulher e os filhos dividem as tarefas, as coisas ficam mais fáceis. Especialmente as mães precisam aprender que não precisam fazer tudo sozinhas. Uma última sugestão: faça algum exercício físico pelo menos umas três vezes por semana, como, por exemplo, uma boa caminhada. Até o nosso próximo Momento Saúde e lembre-se: nossas forças têm limites, é preciso descansar para repor as energias.

Imprimir Email

0
0
0
s2sdefault

"Os recém-nascidos são um encanto, mas dão muito trabalho. Além disto, sofrem dores. Uma das mais comuns é a dor de ouvido. Dor que todo mundo já teve um dia e da qual talvez não se lembre porque a dor de ouvido acomete mais freqüentemente crianças pequenas. Crianças grandes e adultos em geral não se lembram das coisas que aconteceram, tanto boas como ruins, quando pequenos.

A limpeza do ouvido, tanto da criança como do adulto, somente deve ser feita na parte mais externa e visível da orelha, com fralda limpa, toalha ou lenço.
Nada de enfiar um cotonete ou qualquer coisa parecida no canal auditivo. Repito: Não se introduz haste com ponta de algodão no ouvido da criança; a cera do ouvido é a proteção natural do ouvido e a cera velha desaparece sozinha. Não é necessário remover a cera velha para dar lugar à nova. O organismo é capaz de fazer isto sem a sua ajuda. A limpeza errada da orelha pode levar a problemas graves de audição.
Por falar em audição, será que alguma criança que você conhece tem problema de audição, isto é, não ouve bem?
Crianças com problemas de fala, que se mostram distraídas e aumentam sempre o volume da televisão, devem ser bem observadas. Pode ser que não estejam ouvindo bem devido ao catarro instalado no ouvido, ocasionado por uma simples gripe, o que não tem gravidade.
Algumas crianças podem ter otite, uma inflamação muito comum que, às vezes, gera infecções repetidas que podem levar a perfurações dos tímpanos e diminuição da audição. A otite do bebê, se não cuidada corretamente, pode terminar em deficiência auditiva séria.
Preste bem atenção: crianças costumam pôr objetos estranhos dentro do ouvido. Também é freqüente a criança coçar muito o ouvido e pode ocorrer, por causa disso, um acúmulo de cera.
Em todas estas situações, a visita ao posto de saúde, ou ao médico, é importante. O profissional de saúde tem condição de indicar o tratamento adequado e, se for preciso, fazer testes especiais de audição.
Até o próximo Momento Saúde e lembre-se: além da dor de ouvido é preciso cuidar bem daquilo que o seu filho ouve todo dia."

 

Imprimir Email

0
0
0
s2sdefault