Dr. Lísias Nogueira Castilho - Urologista | Fone: (19)32540225 / 3112-4600

Dra. Silvia Diez Castilho - Pediatra | Fone: (19)25136091

Artigos

Movimento antivacina – certo ou errado?

vacina2

A primeira vacina humana que existiu foi a vacina contra a varíola, no século XVIII, com Jenner, na Inglaterra. É bem provável que ele tenha se aproveitado da experiência chinesa com a vacinação contra a varíola desde o século X. De qualquer modo, atribui-se aos ingleses o pioneirismo histórico nas vacinações.

Com o advento das vacinações, surgiu um movimento antivacinação, desde o início. Esse movimento tomou corpo com o Dr. Andrew Wakefield, médico britânico, que, há alguns anos, publicou um trabalho na prestigiosa revista The Lancet, “provando”, com dados falsificados, que o autismo é produto de vacinação. Esse médico, criminoso e irresponsável, teve sua licença médica cassada depois que se provou que seu artigo científico era fraudulento. Esse artigo foi retirado dos anais da revista. Mesmo assim, ele deu força para o movimento antivacina internacional.

Graças ao movimento antivacina, o sarampo voltou na Itália, na Alemanha, na Espanha e em Portugal, nos últimos anos. Em 2017, das 1.600 pessoas que pegaram sarampo na Itália, 88% não haviam tomado nenhuma dose da vacina, por conta do movimento antivacina. Várias dessas pessoas morreram de sarampo.

A ONU estima que cerca de 2 a 3 milhões de pessoas sejam poupadas da morte, por ano, em decorrência das vacinas existentes atualmente, cerca de 26 tipos diferentes de vacinas (no Brasil) ou mais.

O movimento antivacina no Brasil existe e tem sido veementemente condenado pelo Conselho Federal de Medicina e pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). “Vacinar crianças, adolescentes e adultos é um ato de cidadania. Recusar-se a estas práticas pode ser considerado negligência”, disse a Dra. Luciana Rodrigues da Silva, presidente da SBP, recentemente.

As pessoas que militam contra as aplicações das vacinas padecem de ignorância ou má fé. São negligentes e criminosas, à medida que promovem o aumento da paralisia infantil, do sarampo, da varíola, da rubéola e de dezenas de inúmeras outras doenças sérias e com alcance adverso muito grande. Pior, em seus próprios filhos.

Seja inteligente e civilizado. Vacine-se e vacine toda a sua casa.

Imprimir Email

0
0
0
s2sdefault